Browsing Category

#meuape

#meuape, ajuda, Casamento, Dicas

Quanto custa morar sozinha/ com o marido?

dinheiro

Quem acompanha o blog desde o começo sabe que eu sempre tive vontade de morar sozinha, apesar de nunca ter tido vontade de casar. E casei. hahaha

O que mais me deixava na dúvida e insegura era sobre os gastos fixos que eu teria mensalmente. Sempre achava que não ia dar e nunca encontrei na internet algum post ou matéria que fosse REAL, principalmente para a minha situação financeira, minha cidade, etc.

É muito fácil morar sozinha ou casar ganhando mais de R$10.000,00 por mês. Mas e quando isso não acontece? É o meu caso e acredito que o caso da maioria de vocês que não tem muita grana disponível mas também não querem passar o resto da vida morando na casa dos pais, dependendo dos outros, e por aí vai.

Então, vim aqui mostrar pra vocês a minha tabelinha da pobreza, DIGO, das despesas RISOS

Claro que isso vai variar de cidade pra cidade e da sua rotina de vida.

Eu e meu marido trabalhamos fora o dia inteiro. Dia de semana somente jantamos em casa. Final de semana é muito variado, mas na maioria deles almoçamos em casa e jantamos alguma bobeira na rua.

Em casa somos somente eu, meu marido e a Arrocha linda e maravilhosa sambando na cara da sociedade.

Moramos em um apartamento de quase 50m² em um bairro classe média, simples, mas um bairro calmo e perto de tudo.

GASTOS:

  • Financiamento do apto: R$425,00
  • Condomínio: R$300,00 (inclui a água)
  • Net + TV + Telefone: R$200,00
  • Gás: R$9,00
  • Luz: R$100,00
  • Compras: R$300,00 (fazemos a compra grande em atacarejos e as misturas como carne, frango, compramos em açougue durante as semanas – está tudo incluso nesse valor)
  • Gasolina: R$200,00 (o carro fica comigo durante a semana, só uso pra ir e voltar do trabalho, final de semana fazemos tudo com o carro)
  • Gastos com a Arrocha: R$50 – R$100,00 (varia muito)

TOTAL APROXIMADO: R$1.634,00

Lembrando que fora os custos fixos ainda tem os adicionais: cartão de crédito, saídas para passear, saídas para comer, bobeirinhas pelo caminho. E, é sempre bom deixar um valor guardado para emergências como problemas no carro, no apê, remédios, veterinário…

Vale também falar que caso você esteja indo morar sozinha algumas contas serão bem menores, como a de luz, gás e compras. E, caso você esteja indo morar com alguém isso tudo é dividido e acaba que não fica tão pesado assim no fim das contas.

Acredito que a parte mais difícil seja organizar os gastos extras, não os fixos. É muito difícil alguém que faça realmente todas as refeições em casa, ou que não saia nenhuma vez no mês para cinema, show, balada, teatro, barzinho com os amigos, enfim…

Espero ter ajudado vocês <3

Gostou? Compartilhe:

    #meuape, vídeo

    Vídeo: Tour Pelo Apê!

    ALELUIA!!!!!!!!!!!!

    Finalmente está no ar o vídeo Tour pelo apê que vocês tanto pediram e eu tanto enrolei hahaha

    Já peço desculpas pela qualidade não ser das melhores, pelo barulho da câmera ajustando o foco, enfim… sei que vocês me entendem <3

    O apartamento é pequenininho mas é minha paixão!

    Espero que vocês gostem 🙂

    Gostou? Compartilhe:

      #meuape, Casamento, Decoração, Dicas, Reforma

      Minha (mini) cozinha < 3

      Sei que vocês assim como eu devem olhar o tamanho das casas e apartamentos das blogueiras ricas e ficar pensando: GENTÊ, MINHA COZINHA NÃO É METADE DA METADE DISSO, E AGORA?

      Pois é amigos, a minha realidade é igual a de vocês: moro em um apartamento pequeno e com isso tive que me virar pra otimizar espaço e ter onde colocar minhas coisas.

      Uma coisa muito importante pra quem vai se mudar pra um local pequeno é: faça os armários sob medida. É mais caro que comprar das Casas Bahia? É! Mas você vai agradecer cada segundo depois que perceber o bom negócio que fez colocando armários em cada espacinho, tudo feito especialmente para o seu APERtamento.

      Só pra vocês saberem: meu apê tem +/- 49m², 2 quartos e não, não tem suíte. Mas acho que só vou sentir falta de um banheiro dentro do quarto quando tiver filho, porque, agora eu agradeço só ter um sanitário pra limpar #prioridades.

      Algumas dicas práticas:

      • Se for possível faça uma bancada com pedra em cima (foto). É ótimo ter mais uma opção que pode molhar/sujar/colocar coisa úmida/quente além da pia. Já que geralmente a pia também é pequena.
      • Compre um suporte de cozinha/suporte para utensílios (foto). Sério, foi uma das melhores compras que fiz. Comprei o meu na Leroy, mas acredito que tenha em vários lugares pra vender, custa em média R$130. Vale cada centavinho.
      • Se possível compre um filtro que dê para pendurar na parede (foto). Ou, se faltar dim dim, compre aqueles de torneira mesmo sabe? Economiza muito o espaço que a gente já não tem.
      • Tenha um lugar embutido no armário para colocar o microondas (foto), ao invés de deixar ele em cima de alguma bancada. Economiza um super espaço.
      • Fogão e forno embutidos ficam muito mais bonitos, principalmente em cozinhas pequenas. Se você souber pesquisar bem (como eu fiz) vai gastar o mesmo valor, ou até menos, do que em um fogão convencional.

      E é isso meninas. Minha cozinha é pequenininha, não é super arrumada, nem super linda, mas é a minha. Acho que é a realidade da maioria de nós, e é importante mostrar que as cozinhas gingantes de gente rica não é regra.

      Beijo!

      Gostou? Compartilhe:

        #meuape, Casamento

        Reforma no apê: Por onde começar?

        Esses tempos fiz um post contando sobre como foi comprar o apê e vocês gostaram bastante <3 Resolvi então fazer uma série de posts sobre a reforma, que ainda está caminhando.

        O primeiro post vai ser um resumão, meio que pra explicar por onde eu comecei, o que tive que fazer e onde isso tudo vai parar hahaha

        1) Dinheiro: Sim minha gente, é a nossa triste e dura realidade, não adianta querer reformar, fazer mudanças na casinha se não tiver dinheiro. Por mais que os profissionais parcelem o serviço muitas (muitas mesmo!) vezes surgem imprevistos e se você não tiver dinheiro guardado vai querer morrer. Mexer com reforma é uma coisa cara e que dificilmente vai sair exatamente do valor que você planejou.

        2) Planejamento: As coisas nunca vão ser finalizadas na data certa, esse é o mantra e a lei de tudo relacionado a obra. O gesseiro, o pintor, o marceneiro, o eletricista, todo mundo vai ter contratempos, dor de barriga, dengue, tétano e a sua obra, por menor que seja, vai atrasar. Então, planeje. Se você quer que tudo fique pronto daqui 4 meses e te deram o prazo de 2 meses pra fazer tudo: comece agora. Dica de melhor amiga essa, sério. Principalmente se a sua reforma inclui comprar móveis que não são a pronta entrega.

        3) Comece pelo começo: parece ridículo, mas é sério. As veze a gente fica tão ansioso que enfia os pés pelas mãos e acaba invertendo a ordem natural das coisas. Se você vai reformar a sala, colocar gesso e embutir luzes nele, a ordem é: eletricista, gesseiro, pintor. Antes de sair fechando tudo fora de ordem coloque a cabeça no lugar pra depois não se arrepender e ter que contratar duas vezes o mesmo serviço.

        4) Pesquise: Não sei aí na cidade de vocês mas por aqui a diferença de valores é absurda entre um prestador de serviço e outro. Entre essa pesquisa, que deve começar aproximadamente 1 mês antes de realmente iniciar a reforma, além do preço é preciso ter referências. Hoje em dia a maioria das empresas tem fan page, e vale sim entrar nela, pesquisar bem, ver fotos e opiniões de quem já fez serviço com quem você está pensando em contratar. Foi assim, inclusive, que achei meu gesseiro.

        5) Exija comprovantes: SEMPRE exija contrato/recibo ou qualquer coisa que comprove o que o prestador ficou de fazer e quanto você já pagou ou ainda vai pagar por isso. Tente nunca pagar tudo antes dele terminar o trabalho. Se o desconto a vista for bom faça um acordo de pagar um valor antes dele começar e outro assim que ele terminar, desse jeito você continua com o desconto mas ainda tem alguma garantia de que ele não vai pisar na bola tão fácil, já que ainda tem que receber uma parte.

        E acho que essas são as dicas mais importantes.

        E tente também dar preferência para quem se dispõe a ir até o local fazer o orçamento, desse jeito ele vai saber exatamente onde vai trabalhar, o que vai ter que fazer e ninguém terá surpresas depois. Mesmo que você tenha a planta do imóvel ou fotos é importante que o prestador de serviço vá ao local pra ter certeza do trabalho que terá pela frente.

        No próximo post sobre o assunto vou falar de gesso 🙂

        E vocês, tem alguma dúvida específica sobre a reforma?

        Visitem meu outro blog, Casandinho e vou ficar muito feliz se você puder curtir a fan page também 🙂

        Gostou? Compartilhe:

          #meuape, Casamento

          Meu apê: como escolhi, como comprei…

          Lá no instagram @daicravo várias meninas vivem me perguntando sobre o apê que vou morar quando casar. Agora tô na fase da reforma então vira a mexe posto alguma foto e vem as dúvidas. Resolvi então fazer esse post pra explicar um pouquinho pra vocês como foi todo o processo de escolha, compra, até agora.

          Comprei o apartamento faz um pouco mais de 4 anos se não me engano. Sim, nessa época nem sonhava em conhecer o meu noivo. Mas, meu pai veio com a ideia de dar a entrada e eu assumir as prestações, assim, eu teria um teto quando resolvesse sair de casa (até porque na época ninguém colocava fé que um dia eu me casaria hahaha).

          Começamos a busca por apartamentos na planta e pequenos. Rodamos a cidade toda, fomos em todos os bairros onde eu gostaria de morar.

          Mesmo ouvindo muitas reclamações sobre a MRV a gente, depois de muita busca e pouco sucesso, decidiu fechar com um empreendimento da empresa, do outro lado da cidade, onde eu morava antes. Já estava tudo fechado, recebi os contratos e era só assinar. Até que ao ler os contratos eu e meu pai percebemos que em nenhum lugar estava MRV. A construtora simplesmente não botava a cara tapa pra nada. O responsável pelo empreendimento era o próprio empreendimento. A razão social e o CNPJ que constava em tudo era o do condomínio e não o da MRV, ou seja, quem eu iria processar se alguma coisa desse errado? Questionamos a corretora, ela foi atrás, e no fim das contas era desse jeito mesmo e então desistimos de comprar. Graças a Deus, porque depois ficamos sabendo de coisas horríveis da MRV, até fiz um post sobre isso no outro blog.

          Recomeçamos a busca do zero novamente tirando da lista todos os empreendimentos da MRV.

          Eu queria um apê pequeno (50 mts²), 2 quartos, não precisava ter suíte e nenhum luxo. Tá vendo como eu não sou blogueira mesmo? hahahahaha #entendedoresentenderão

          Um belo dia fomos todos ver um apartamento decorado num bairro aqui perto de casa mesmo. O apartamento era lindo (gente, não lindo de novela, lindo pra minha realidade) e todo mundo se apaixonou. O problema é que ele estava quase pronto, faltava meses pra entregar e por isso o valor de entrada teria que ser maior.

          Fomos embora meio tristes. Mas como Deus sempre foi maravilhoso comigo conseguimos comprar o apartamento.

          Meu pai deu a entrada e eu assumi as prestações. Fiz financiamento pela Caixa Econômica a perder de vista porque né, sou pobre. Ia pagando quase nada até a entrega das chaves e depois comecei a pagar as prestações no valor normal.

          O apartamento foi entregue uns 6 meses antes do previsto. Como eu não tinha condições de morar sozinha e nem ia casar eu aluguei. Mas com muita dor no coração.

          Aluguei por imobiliária pra um casal por 2 anos e depois particular por mais 2 anos. Uma dica: NUNCA alugue nada no particular porque aí você terá as dores de cabeça com o inquilino. Mil vezes melhor alugar com imobiliária, porque aí ela resolve tudo. Só Deus e eu sabemos a dor de cabeça que foi na reta final do último inquilino, e eu precisando do apartamento já que vou casar. Quando finalmente ele me entregou as chaves eu quis soltar fogos.

          Bem, sobre a compra em si: você vai precisar de um valor para dar de entrada. Geralmente gira em torno de 20% do valor do imóvel. Algumas construtoras pedem esse valor a vista, outras parcelam até a entrega das chaves, enfim, cada caso é um caso. Acredito que essa seja a parte mais complicada pra quem quer comprar porque hoje em dia um apartamento não sai por menos de R$150 mil, ou seja, uns R$30.000 só de entrada. Se você tiver um bom valor de FGTS ajuda.

          O financiamento vai depender muito da sua renda, estado civil e tudo mais. Dependendo do valor do imóvel e do seu rendimento você consegue inclusive entrar no programa Minha Casa Minha Vida. Aqui na minha cidade tem vários empreendimentos dentro do programa, é bem legal conferir e ver se você se encaixa nos requisitos. E não, essa parte do programa do governo não é aquela que o próprio governo constrói e sorteia as casas, é um outro seguimento, você compra um imóvel normal, mas que o valor dele e o valor da sua renda se adequa ao programa e você ganha um valor de subsídio do governo.

          Pela Caixa geralmente o financiamento é feito em 360 meses, ou seja, 30 anos. Pra um imóvel próprio eu não vejo problema nenhum, mas sei que tem gente que não quer ficar pagando todo esse tempo, então, minha dica é: fique rico.

          Como disse pra vocês, agora tô na fase de reforma do apartamento, se vocês quiserem eu faço post falando sobre 🙂

          Beijos!

          Gostou? Compartilhe: