Browsing Category

Desabafos

#marivaicasar, bla bla bla, Casamento, Desabafos

Meu sumiço e mais algumas coisas…

Oie… será que tem alguém por aqui? 🙂

16789660_861868750629161_8139530481294114816_n

Vocês devem ter reparado que faz muuuito tempo que não faço post por aqui e confesso que isso até me chateia, porque apesar do blog ser meu hobby, faço questão de fazer o possível para encaixar dentro da minha rotina, porque além de querer ficar sempre próxima de vocês, aqui também é minha válvula de escape. Quando estou ~blogando~ me sinto mais leve, mas faz isso só por obrigação não é legal. E é por isso que não tenho dado as caras por aqui.

Como a maioria de vocês sabem, me caso no final do próximo mês e esse início de ano tem sido uma correria imensa de casamento + trabalho + casa nova + adversidades da vida. A verdade é que nem sempre o script sai como você gostaria e quando algo sai fora da curva, a gente sente como se tivesse falhado, né?

Esses últimos meses tem sido muito intensos em todas as maneiras cabíveis. Coisas boas, coisas ruins… é disso que a vida é feita. De altos e baixos. E se engana quem pensa que só porque está vivendo um momento maravilhoso, está livre de se machucar pelo caminho.

Eu me machuquei, e muito! Perdi a minha gatinha Nina que já estava conosco há 16 anos e doeu… DOEU MUITO. Mas trouxe alívio e calma para o coração. A Nininha estava doente desde o final do ano, piorou muito em fevereiro e desde então as coisas saíram do controle pra mim. Nada disso é fácil para uma pessoa comum, mas para quem sofre de ansiedade é ainda pior. E veja bem, esse é o meu caso. Apesar de ter feito um tratamento incrível para a ansiedade nos últimos meses de 2016 (depois do casamento quero falar sobre isso com vocês), ter me visto em uma situação que nunca tinha vivido antes, como a doença e morte de um animalzinho, me fez ter crises bem complicadas. Agora estou bem, mas vê-la sofrendo e morrendo aos poucos acabava comigo.

Depois que isso passou, pude voltar a me dedicar as coisas do meu casamento e a minha casinha como esse momento merece. E agora me encontro correndo de um lado pro outro pra resolver as coisas pendentes. hahahha
Não é fácil, mas é uma delícia e todo mundo me fala que vou sentir muita falta dessa loucurinha.

Enfim… tanto tempo fora e quando apareço é com textão, né? Mas me deu vontade de compartilhar um pouco do porque ando sumida e de como andam as coisas por aqui.

Ahhh… nesse último fim de semana fiz as fotos para meu pré wedding, assim que estiver com todas as fotos venho aqui dividir mais isso com vocês, porque eu sei que vocês também adoram essas coisas (eu amoooo hahahha ♥).

Do mais, desculpem o sumiço, não desistam de mim. Eu ainda tenho muito amor e posts pra vocês!

E se você ainda não me segue no Insta, estou lá sempre postando alguma coisa ou outra. Pelo menos podemos ficar mais pertinho. @maribombonato

Agora eu vou lá assistir um pouquinho de Gilmore Gilrs, porque depois de um dia cheio de trabalho eu mereço! 🙂

Logo nos vemos novamente.

Um super beijo
Mari ♥

Gostou? Compartilhe:

    Desabafos, Textos

    Até onde as minas se unem de verdade?

    friendship-girls-love-perfect-pretty-silhouette-favim-com-47757

    A gente nunca ouviu tanto falar que as “as minas tem que se unir”, que “as manas juntas podem muito mais”, que “juntas somos muito melhores” e eu sinceramente acredito nisso e queria de verdade poder falar que isso acontece na real, mas não é o que eu vejo ao meu redor.

    O que eu vejo são pessoas querendo ser melhores do que eu, do que você. São pessoas querendo competir por algo que muitas vezes nem existe. Por posições, por status, por moda, por popularidade. A troco de que?

    A diferença entre nós? A forma como encaramos tudo isso: Ignorar ou fazer parte do jogo?

    Ignorar exige sabedoria e, por muitas vezes, sem nem perceber, nos vemos mergulhadas em um jogo que nem sabemos quando e porque começou. Uma competição vazia e que no final não tem nenhum vencedor.

    As vezes o que as pessoas mais querem é te desestabilizar e te fazer desistir de algo que você vem construindo há tanto tempo. Cabe a você decidir: vai entrar no jogo ou mirar no seu objetivo?

    Eu, mesmo caindo no meio do caminho, jamais vou permitir que alguém tire meus sonhos e metas. E a minha sorte é saber que quando isso tudo acontece, as minas de verdade, aquelas que não querem competir, aparecem para me envolver em um abraço cheio de palavras, carinho e amizade. São elas que me fazem continuar insistindo e acreditando que juntas podemos sim ser infinitamente maiores e melhores. Cabe apenas a mim aceitar e fugir de pessoas que não pensam dessa mesma forma e que vêem qualquer ato como ameaça.

    Se eu pudesse te dar um simples conselho, ele seria: pare de criar competições, não importa o motivo delas. E se você chegou a se questionar se está fazendo isso, é porque já sabe a resposta.

    Aqui só tem empatia! ♥

    Gostou? Compartilhe:

      Beleza, Casamento, Desabafos, Maquiagem, vídeo

      {vídeo} Maquia e fala: Por que passamos tanto tempo sem gravar vídeos? + Vou casar!!

      Yaaay!! Hoje tem novidade por aqui!! 🙂
      A partir de hoje os vídeos estão de volta no nosso canal e resolvi gravar um maquia e fala pra contar um pouquinho sobre isso.

      Espero que tenham gostado da novidade e se preparem porque vai ter muita Mari e muita Dai nos vídeos esse ano hahahaha

      Beeeijos! <3

      Gostou? Compartilhe:

        Desabafos, Textos

        O dia que resolvi começar a me achar bonita

        fre

        Título meio estranho né? Mas vou explicar.

        Quem me conhece desde mais nova sabe que passei grande parte da minha vida tendo problemas com auto estima. Me achava sempre a mais feia, a menos capaz e por aí vai.

        Carreguei isso comigo durante muitos anos. Uns 10 anos, no mínimo.

        Até os meus 15 anos era praticamente impossível me ver de short ou saia, porque me achava muito magra e tinha vergonha das minhas pernas.

        Além disso, sempre achava as outras meninas mais bonitas que eu, em todos os sentidos: rosto e corpo.

        Alguns dias eu chorava por me sentir inferior. A Mari já foi testemunha disso e já me ajudou muito.

        De uns anos pra cá fui melhorando. Aos poucos. Mas ainda sentia que faltava alguma coisa sabe? E 2016 foi o ano dessa mudança pra melhor.

        Você sai de casa sempre se achando bonita?

        Eu não saia.

        Mas, em 2016 mudei, e agora, só saio de casa se estiver me sentindo bonita. Não guardo mais roupas, combinações ou maquiagem para ocasiões especiais.

        Sabe aquele batom de cor forte ótimo para baladas e festas? Agora ele faz parte do meu dia a dia. E quem me acompanha no instagram (@daicravo) percebeu isso.

        Sabe aquela selfie marota que você tem vergonha de postar para os outros não te acharem narcisista? Agora eu posto. Todo dia até se quiser.

        Eu não me importo se os outros estão me achando feia, magra, gorda, vesga, nariguda, orelhuda. Eu me importo agora com o que EU estou achando.

        E não há nada melhor pra auto estima do que você mesma se sentir bonita.

        Experimente.

        A gente MERECE sair de casa se achando bonita. Com a roupa que queria. Com a maquiagem que queria. Faz tão bem.

        E isso não tem nada a ver com se achar melhor que o outro. Tem a ver com se sentir segura. Tem a ver com se olhar no espelho e gostar do que ver. Tem a ver com tirar uma selfie e querer postar.

        Eu tenho certeza que vocês já sentiram isso pelo menos uma vez na vida. Mas merecem sentir todos os dias.

        Você é linda.

        Só falta você mesma acreditar.

         

        Gostou? Compartilhe:

          Desabafos, Textos

          A grama do vizinho é sempre mais verde (será?)

          Você já reparou como a vida de todo mundo parece melhor que a sua?

          A gente sempre acha que o emprego do outro é melhor, que a família do outro é melhor, que as baladas e passeios do outro são melhores, enfim, que a vida inteirinha do coleguinha é melhor que a nossa.

          E isso tem um motivo simples: as pessoas tem mania de só postar fotos e vídeos (agora com a moda do Snap) dos momentos mais felizes da vida dela. Ninguém quer admitir que tem problemas, que ganha mal, que parcelou aquelas roupas em 5x no cartão C&A, que o namorado vive dando balão, que a namorada é a maior barraqueira, que a balada estava um saco…

          Ninguém quer que o outro seja mais feliz que ele. Ou melhor, ninguém quer que o outro PAREÇA mais feliz/realizado que ele.

          E não, não estou dizendo que todo mundo tem que se tornar aquele colega retardado que TODO MUNDO TEM UM NA VIDA JESUS AMADO ME AJUDE! Sabe aquela pessoa que só reclama nas redes sociais o tempo inteiro? Então, não, apenas pare.

          Maaaaaaaaas as pessoas tem que parar de querer viver num conto de fadas. É normal ter dias ruins gente.

          O que não é normal é você querer fingir que tem grana e entrar no cheque especial só pra pagar o combo da balada prime, tirar várias fotos e postar na redes sociais.

          O que não é normal é você ficar postando declaração pro seu namorado que te trata igual lixo e te trai todo final de semana.

          O que não é normal é você TER QUE tirar uma foto mega feliz todos os dias e postar como “bom dia” no facebook.

          GENTE, todo mundo tem problemas. Não é vergonha nenhuma não.

          Mês passado eu estava numa bad sabe? Ficava pensando que todo mundo tinha feito escolhas boas na vida menos eu, até porque, ninguém comenta sobre isso. As pessoas conversam sobre a última viagem, sobre o último lançamento de batom líquito matte, sobre a blogueira que engravidou, casou, separou… mas as pessoas tem medo de se abrir.

          Aí, resolvi comentar com 3 grupos diferentes o que eu estava sentindo. E imaginem só a minha surpresa quando TODO MUNDO, vou repetir: T O D O M U N D O estava pensando as mesmas coisas que eu.

          Amigos que eu pensava que eram mega felizes porque trabalham em uma super empresa, tem um super cargo, ganham super bem e na verdade não. Eles também estavam pensando se fizeram a escolha certa, se realmente queriam estar naquele lugar, fazendo aquela coisa, mesmo ganhando super bem.

          Uma amiga que eu jurava que estava trabalhando na empresa dos sonhos dela simplesmente me disse que não sabia se era isso que queria fazer daqui uns anos, que estava cansada, que não queria mais.

          Um colega que atende todo mundo com um sorriso gigante no rosto e parece MUITO feliz com o trabalho disse que não vê a hora de acabar a faculdade e voltar pra terra dele pra viver no meio mato porque não aguenta essa vida de cidade.

          Por que a gente não se abre com o outro sobre esse tipo de coisa?

          Gente, se todo mundo contasse as aflições pros outros, talvez, muito talvez mesmo, a gente pudesse se ajudar. Um iria aprender com a parte ruim da vida do outro, assim como aprendemos com as coisas boas.

          Saber que o outro também tem dúvidas e medos não faz a gente se sentir bem, mas faz a gente ter força e entender que não somos só nós que passamos por esses momentos.

          É tão triste chorar sozinho no quarto por medo de que só você se sinta assim.

          Não é?

          Então vem cá, me conta suas aflições.

          A minha, no momento é achar que fiz todas as escolhas profissionais erradas.

          Me fala da sua.

          Um beijo.

          Gostou? Compartilhe: